Personalize Suas Preferência!

Escolhe a cidade que você deseja como página padrão do site. Você pode mudar a qualquer momento suas preferência.

buscar
 

  • Região:Indianópolis Politica     15-02-2019

Um grupo de ex-senadores acumula a aposentadoria paga pelo Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC) com pensões de ex-governador, ex-ministro, ex-conselheiro de Tribunal de Contas e ex-deputado estadual. Há também acúmulo de salário parlamentar com pensão. A renda mensal total varia de R$ 25 mil a R$ 73 mil, tudo pago pelo contribuinte.

João Américo de Souza (Arena-MA) foi deputado federal por dois mandatos e senador por apenas um ano e meio. Como suplente, assumiu a vaga de José Sarney, que havia tomado posse como presidente da República em março de 1985. Pouco tempo depois, Américo foi nomeado por Sarney como ministro do Tribunal Superior do Trabalho em dezembro de 1986, permanecendo no cargo por 21 meses. Hoje, Américo recebe duas aposentadorias – R$ 12 mil do IPC e mais R$ 32 mil do TST, totalizando R$ 44 mil.

Melhor ainda é a situação de Sarney. Ele recebe aposentadoria de R$ 29 mil do IPC, pensão de R$ 30,4 mil como ex-governador do Maranhão e mais R$ 14 mil como servidor aposentado do Tribunal de Justiça do Maranhão – um total de R$ 73,5 mil. Ele conta ainda com os benefícios de ex-presidente da República para cobrir despesas com seguranças, motoristas, assessores, diárias, passagens, carros oficiais e cartão corporativo – cerca de R$ 500 mil por ano. Já recebeu R$ 9 milhões desde que deixou o cargo, em 1990.

Pensões misturadas

Após a morte dos senadores, a aposentadoria fica para seus dependentes, na forma de pensão. Como o IPC foi extinto em 1999, os seus benefícios são cobertos pela União, ou seja, pelo cidadão que paga os impostos. Estão previstos R$ 160 milhões no Orçamento da União para essa despesa este ano, sendo R$ 22 milhões para as aposentadorias do Senado.

LEIA TAMBÉM: A insustentável previdência militar: contribuições cobrem apenas 14% das pensões

O ex-senador Gerson Camata (MDB-ES) morreu em 26 de dezembro do ano passado. Mas os prazos para aprovar a pensão não seguem os ritos do INSS. Já em 23 de janeiro, uma portaria do Senado concedeu pensão à viúva, a ex-deputada Rita Camata, e a um filho menor. Os dois vão dividir a pensão de R$ 33,7 mil – o teto constitucional. Um reforço no orçamento da ex-deputada que ficou conhecida como a “musa da Constituinte”. Como aposentada pela Câmara, ela recebe mais R$ 20,9 mil. Gerson recebia também aposentadoria de R$ 7,2 mil do Instituto de Previdência dos Deputados Estaduais (IPDE). Rita recebe metade desse valor como pensão.

Alberto Hoffmann (Arena-RS) exerceu cinco mandatos como deputado federal e mais dez meses como senador. Deixou pensão de R$ 16,8 mil para a viúva, Adelina Rieger Hoffmann. Mas ele também foi ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), entre 1983 e 1990, nomeado pelo presidente João Batista Figueiredo. A viúva recebe mais uma pensão de R$ 27,8 mil do TCU. Não há aplicação do abate-teto porque o IPC é considerado pelo TCU como uma entidade de direito privado, embora já esteja extinta e as pensões sejam bancadas pela União.

 

O TCU também paga aposentadoria, no valor de R$ 32 mil, para os ex-senadores Iran Saraiva (MDB-GO) e Valmir Campelo (PTB-DF). Saraiva recebe aposentadoria de R$ 22 mil pelo Senado, enquanto Campelo, R$ 12 mil.

O ex-senador Irapuan Costa Júnior (MDB-GO) recebe aposentadoria de R$ 13 mil pelo IPC e mais R$ 43 mil como conselheiro aposentado do Tribunal de Contas de Goiás.

Governadores tampões

O ex-senador Casildo Maldanes (MDB-SC) tem aposentadoria de R$ 12,6 mil pelo Senado e R$ 11,7 mil pelo Instituto de Previdência de Santa Catarina. Recebe também a pensão de R$ 30,4 mil como ex-governador de Santa Catarina, embora tenha ficado apenas um ano no cargo. Ao todo, tem renda de R$ 54,8 mil.

O ex-senador Milton Cabral (Arena-PB) foi deputado por dois mantados e senador por 16 anos, sendo os últimos oito anos como senador “biônico”, eleito sem o voto direto. Conseguiu uma aposentadoria robusta, de R$ 27,8 mil. Mas, em junho de 1986, foi eleito governador da Paraíba, novamente pelo voto indireto, para um mandato tampão de nove meses. Amealhou mais uma pensão de R$ 23,5 mil.

 

O senador José Maranhão (MDB-PB), aquele que presidiu a eleição do presidente Davi Alcolumbre, também recebe pensão como ex-governador do estado. Somando com o salário de senador, a sua renda total chega a R$ 57,2 mil. O ex-senador Cícero Lucena tem aposentadoria do Senado no valor de R$ 18,3 mil, além da pensão como ex-governador da Paraíba, pelos nove meses de mandato exercidos no final de 1994.

Uma das mais elevadas rendas entre os ex-governadores é a do ex-senador Marco Maciel (PFL-PE). Ele recebe R$ 30,8 mil pelo Senado mais R$ 30,4 mil pelo governo de Pernambuco.

O senador Esperidião Amin (PP-SC) tem aposentadoria como senador, mas ela está suspensa porque ele está novamente no exercício do mandato. Por enquanto, terá que se ‘contentar’ com o salário de senador (R$ 33,7 mil) mais a aposentadoria de R$ 30,4 mil como ex-governador de Santa Catarina – um total de R$ 64 mil.

Aposentado com “proventos integrais”

O TST informou ao blog que o ministro João Américo de Souza foi aposentado por tempo de serviço, com proventos integrais, com fundamento no art.  113, § 1º, da Constituição Federal de 1967/1969, então vigente, combinado com o art. 74 da Lei Orgânica da Magistratura.

Ele somou o tempo de serviço prestado ao tribunal [21 meses] com os períodos de tempos de serviços averbados [aproveitados] relativos a empresas privadas e a diversos órgãos públicos. “Contou à época com mais de 38 anos e 10 meses de tempo de serviço para fim de aposentadoria. Não consta averbado neste tribunal tempo de serviço prestado em outro órgão do Poder Judiciário”.

O TST acrescentou que, atualmente, além do cumprimento dos demais requisitos previstos para a aposentadoria com proventos integrais, para se aposentar no cargo de ministro do tribunal (assim como para os demais servidores públicos) são exigidos cinco anos no cargo em que se dará a aposentadoria.

Aposentadoria a partir de oito anos de mandato

A Assembleia Legislativa do Espírito Santo informou que, no estado, o parlamentar precisava ter cumprido no mínimo oito anos de mandato, ressalvado o caso de invalidez causada por acidentes ou moléstias no exercício da função. A lei permitia a averbação do tempo de mandato de vereador (no máximo 4 anos), desde que fossem recolhidas as contribuições com base no subsídio dos deputados estaduais.

O valor máximo é o valor do subsídio dos atuais deputados estaduais. A pensão dos ex-deputados é proporcional aos anos de mandato, à razão de 1/28 avos por ano. Para recebimento do valor integral, o deputado teria que ter exercido sete mandatos, ou realizado o pagamento da carência.

Atualmente, 38 deputados recebem aposentadoria e 43 dependentes recebem pensão. A viúva tem direito a 50% do que recebia o ex-deputado. Cada filho recebe mais 10%. “Não há requerimento, tão pouco pagamentos relacionados ao filho do ex-deputado [Gerson Camata]”, diz a nota.

Governador terá pensão integral de volta

O Governo de Santa Catarina esclareceu que o art. 195 da Constituição do Estado, que previa o benefício, foi revogado pela Emenda Constitucional n. 75, de 21 de dezembro de 2017. Quem já tinha o benefício continua recebendo. O ex-governador Eduardo Pinha Moreira recebia R$ 15 mil por força de decisão judicial. “A decisão foi revogada, e Moreira passará a receber, a partir da próxima folha, o valor integral como os demais”, diz nota do governo.

O governo de Pernambuco informou que apenas dois ex-governadores recebem pensão no estado. “As pensões foram concedidas através da Emenda Constitucional n° 08 de 04/12/1978 aos ex-governadores Marco Antônio de Oliveira Maciel e José Muniz Ramos. Não existem pensionistas”.

O governo gaúcho disse que o governador Eduardo Leite é o primeiro sem pensão vitalícia, após a legislação aprovada em 2015, que a extinguiu: “Com a mudança, o subsídio para os próximos ex-governadores será concedido por até quatro anos”.

No Acre, a assessoria informou que o estado está estudando se mantém a concessão de pensão a ex-governadores: “Se continuará pagando ou não, a situação está sendo levantada pela Procuradoria Geral do Estado. Solicitamos um estudo para tomarmos uma atitude após uma análise jurídica sobre a questão. Nenhuma decisão do governo poder ser precipitada”.

Ex-senadores acumulam aposentadorias

               Senador     TOTAL  senador/ apos governador                                                              outros            
    em R$ em R$ em R$ em R$  
  José Sarney
(MDB-MA)
73.504 29.036 30.471 14.033 TJMA   
  Esperidião Amin
(PP-SC)
64.234   30.471 33.763 Senado
  Marco Maciel
(PFL-PE)
61.340 30.869 30.471    
  Irapuan Costa Júnior
(MDB-GO)
57.492 13.167   44.325 TCE-GO
  José Targino Maranhão
(MDB-PB)
57.263 33.763 23.500    
  Iram de Almeida Saraiva
(MDB-GO)
54.222 22.148   32.074 TCU
  Nabor Teles da Rocha Júnior
(MDB-AC)
52.619 22.148 30.471    
  Milton Bezerra Cabral
(Arena-PB)
51.388 27.888 23.500    
  Pedro Jorge Simon
(MDB-RS)
48.027 17.556 30.471    
  João Castelo Ribeiro Gonçalves
(PSDB-MA)***

Pensionista
Maria Gardênia Santos Ribeiro Gonçalves
45.309 14.838 30.471    
  Alberto Hoffmann
(Arena-RS)***

Pensionista
Adelina Rieger Hoffmann
44.692 16.881   27.811 TCU
  Marcelo Miranda Soares
(MDB-MS)
44.240 8.778 35.462    
  João Américo de Souza
(Arena-MA)
44.144 12.070   32.074 TST
  Valmir Campelo
(PTB-DF)
44.144 12.070   32.074 TCU
  Jorge Bornhausen
(PFL-SC)
43.638 13.167 30.471    
  Casildo Maldaner
(MDB-SC)
43.108 12.637 30.471 11.705 IPREV
  Cícero Lucena Filho
(PSDB-PB)
41.828 18.328 23.500    
  Gerson Camata***

Pensionista
Rita Camata e Bruno David Camata
41.005 33.763   7.242 IPDE
  Lavoisier Maia
(PFL-RN)
30.698 8.778 21.914    
  Antônio de Almendra Freitas Neto 29.507 17.026 12.481    
  José Ignácio Ferreira
(PSDB-ES)
24.798 17.556   7.242 IPDE
             
  (***) Instituidores de pensão          
             
  Fontes: Senado Federal, TST      

 

Via  Gazeta do Povo


Compartilhe com os amigos!

Deixe seu comentário