Personalize Suas Preferência!

Escolhe a cidade que você deseja como página padrão do site. Você pode mudar a qualquer momento suas preferência.

buscar
 

  • Região:Japurá Noroeste     15-08-2017

Com apelo da sociedade japuraense a Câmara aprovou em segundo turno, por unanimidade, o Projeto de Lei nº 21 de autoria do Prefeito, que proíbe o uso de narguile em Japurá. A proibição refere-se aos locais, venda, aluguel e utilização aos menores de 18 anos de idade. A partir da sanção da Lei pelo Prefeito, ficará proibido o uso em locais públicos como ruas, avenidas, logradouros, praças, área de lazer, parques, ginásios, espaços esportivos, escolas, bibliotecas, espaços de exposições, igrejas, áreas de estacionamentos e qualquer local onde houver aglomeração de pessoas. A Lei detalha a proibição em ambientes de uso coletivo privado compreendendo dentre outros: bares, lanchonetes, restaurantes, praças de alimentação, casas de espetáculos, teatros, cinemas, hotéis, pousadas, centros comerciais, supermercados e similares, ambientes e trabalho, de estudo, de cultura, de lazer, de esporte ou de entretenimento e áreas comuns de condomínios e estacionamentos. Ficam isentos da Lei os estabelecimentos que possuam espaço exclusivo destinado ao consumo do narguile, porém, terminantemente proibida a permanência de menores de 18 anos de idade, ainda que acompanhado por responsável. O descumprimento da Lei acarretará apreensão da aparelhagem fumígena e multa acima de R$1.000,00.

 

Texto acima Publicado no site da câmara em: 15/08/2017 10:09 Fonte/Agência: Secretaria da Câmara Autor: Mário Francisco Quirino

 

MAS OQUÉ É ? ..E COMO FUNCIONA?

Segundo o diretor-geral do INCA, Luiz Antonio Santini. O narguilé é um grande cachimbo composto de um fornilho (onde o fumo é queimado), um recipiente com água perfumada (que o fumo atravessa antes de chegar à boca) e um tubo, por onde a fumaça é aspirada pelas várias pessoas que compartilham uma sessão.
 
“Quando se aspira pelo tubo, o ar aquecido pelo carvão passa pelo tabaco, produzindo a fumaça que desce, passa pela água, onde é resfriada, e segue pelo tubo até ser aspirada pelo fumante e expirada em seguida”, explica o médico.
 
Como qualquer outro produto derivado do tabaco, o narguilé contém nicotina e as mesmas 4.700 substâncias tóxicas do cigarro convencional. Porém, análises comprovam que sua fumaça contém quantidades superiores de nicotina, monóxido de carbono, metais pesados e substâncias cancerígenas do que na fumaça do cigarro.
Além do tabaco é colocado carvão em brasa. A queima do carvão produz substâncias cancerígenas, entre elas, o monóxido de carbono, potencializando os riscos para seus consumidores.
 
“Por desconhecimento dos usuários, a presença da água faz com que se aspire ainda mais a fumaça, dando a impressão de que o organismo fica mais tolerante, o que é errado. Desse modo, a pessoa vai inalando uma quantidade muito maior de toxinas, sem sentir tanto incômodo”, afirma Meirelles.
 
O narguilé contém aditivos aromáticos, em geral, muito agradáveis, que acabam levando jovens a participar de sessões de fumo desse produto, levando-os a se tornarem dependentes de nicotina, e futuros consumidores de cigarros.


 O narguilé engana, dando a sensação de que as impurezas do tabaco são filtradas pela água, o que é um equívoco”, diz o diretor-geral do INCA, Luiz Antonio Santini.
“Os malefícios à saúde causados a quem frequenta ambientes em que o narguilé é consumido, são bem parecidos com os que atingem aos fumantes passivos, que têm mais chances de desenvolver doenças tabaco-relacionadas.

A concentração dessas substâncias no organismo tem efeito cumulativo, ou seja, quanto maior o tempo de exposição, maiores serão os danos”, completa.


Compartilhe com os amigos!

Deixe seu comentário