Personalize Suas Preferência!

Escolhe a cidade que você deseja como página padrão do site. Você pode mudar a qualquer momento suas preferência.

buscar
 

  • Região:Cianorte Paraná     17-01-2019

As pastas que tiveram maior corte de repasse de recursos foram Saúde, Educação e Segurança Pública

 

Em seus primeiros dias do novo mandato, o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD),  publicou um decreto para bloqueio de R$ 8 bilhões das contas públicas do Estado. Isso significa que o governo poderá deixar de gastar esse valor ao longo do ano e o corte será feito em áreas como a educação, a saúde e a segurança pública.

O arrocho maior será nas escolas públicas da rede estadual. O decreto suspende parte do investimento na educação. O valor de R$ 1,6 bilhão a menos que no ano passado, representa 20% do orçamento da educação para o ano de 2019. Durante coletiva de imprensa, Ratinho Junior alegou que esse é “um procedimento formal de limitação de despesas, com o intuito de garantir o equilíbrio fiscal do Paraná, compatibilizando a execução de despesas com a efetiva entrada de recursos, mantendo assim a estabilidade econômica estadual”.

 

APP-Sindicato alerta – o desafio de quebrar o bloqueio das justificativas financeiras será grande também neste período. De acordo com a lei, é dever do Estado investir 30% do seu orçamento em educação. Essa porcentagem, conquistada pela luta dos(as) trabalhadores(as), garante o mínimo para o funcionamento da educação pública no Paraná. O Sindicato defende a ampliação destes recursos.

No entanto, o Sindicato aponta que o saldo ainda é insuficiente diante de uma realidade de escolas sucateadas, obras paralisadas, denuncias de desvio de dinheiro e congelamento de salários. Os salários dos(as) trabalhadores(as) em educação estão congelados desde janeiro de 2016. Há três anos não há reposição da inflação.  “Discutir salários é extremamente importante. No Paraná, nós professores e funcionários, não temos tido reajuste do piso nacional há quatro anos e tão pouco o [reajuste] da data-base, há três anos de reajuste. Os salários e as condições de trabalho não são atrativas para que a juventude queira ingressar no magistério.Perdemos talentos para outras áreas. Se continuar com essa política de não valorização financeira teremos falta de professores em algumas disciplinas, muito em breve” alerta o presidente da APP, professor Hermes Silva Leão.

 

Educação sucateada – A educação pública vem sendo deixada de lado, desde governo Richa (PSDB). Em 2015, foram R$ 608 milhões a menos, que o ano anterior, para a educação. Em 2016, um novo arrocho: Richa anuncia um novo corte no orçamento da educação, foram menos R$ 307 milhões investidos em educação e redução de menos R$ 300 milhões para o ano seguinte

Em 2018, governo do Paraná não investiu o mínimo exigido pela Constituição em saúde e educação. O Executivo estadual deixou de aplicar R$ 159 milhões nas duas áreas somente nos primeiro quadrimestre.

 

Valores exorbitantes e tão distante da realidade de quem passa diariamente pelas escolas. A APP tem se mostrado incansável na denuncia dessas irregularidades e na cobrança de que a legislação seja cumprida. “É inadmissível cortar gastos naquilo que é primordial para a sociedade.  Temos os menores salários dentro dos servidores do Executivo e já sofremos na carne os cortes devido às más gestões dos últimos governos. Vamos continuar, neste governo, fazendo esse apelo para que professores, funcionários e estudantes não continuem pagando uma conta que não é nossa”, salienta Hermes

 

O governador  assinou um decreto, publicado nesta segunda-feira (7), bloqueando 20% do orçamento previsto para 2019. O decreto nº 10348 pode ser consultado no Diário Oficial do Poder Executivo.

O valor total bloqueado é de R$ 8,1 bilhões e as pastas que tiveram maior corte de repasse de recursos foram:

Saúde: R$ 1,1 bilhão

Educação: R$ 1,6 bilhão

Segurança Pública: R$ 825 milhões

 

Em nota, o governo informou que o “trata-se de um procedimento formal de limitação de despesas com o intuito de garantir o equilíbrio fiscal do Paraná”. Leia na íntegra:

O contingenciamento consiste no retardamento de parte da programação de despesa prevista na Lei Orçamentária. A medida, portanto, não suspende e nem cancela recursos previstos no orçamento anual do Estado.

O poder regulamentar do Decreto de Contingenciamento obedece ao disposto nos artigos 8º e 9º da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que visa permitir o cumprimento de metas fiscais, que no presente caso objetiva uma contenção de 20% das despesas do Estado.

Em síntese, trata-se de um procedimento formal de limitação de despesas com o intuito de garantir o equilíbrio fiscal do Paraná, compatibilizando a execução de despesas com a efetiva entrada de recursos, mantendo assim a estabilidade econômica estadual.

É importante destacar que os valores contingenciados podem ser descontingenciados futuramente. A medida não afeta despesas obrigatórias do P


Compartilhe com os amigos!

Deixe seu comentário